Desejo a todas inimigas vida longa


Na pré escola, as meninas não gostavam de mim. Eu era bagunceira, falava alto e odiava brincar de casinha. Eu achava que elas eram chatas.

Na escola, as meninas não gostavam de mim. Eu tinha cabelos curtinhos e odiava brincar de boneca. Eu achava que elas eram frescas.

No colégio, as meninas não gostavam de mim. Eu era a gótica, a esquisita, a que não tinha vergonha de ser sexualmente ativa. Eu achava que elas eram hipócritas.




Quando comecei a trabalhar, minhas colegas não gostavam de mim. Eu estava sempre super arrumada, super maquiada, super penteada. Eu achava que elas eram recalcadas.

Quando casei e tive minha filha, as outras mães não gostavam de mim. Eu saía de vez em quando pra me divertir e era acusada de ser uma mãe ruim. Eu achava que elas eram fofoqueiras.

Quando fiquei solteira de novo, as mulheres comprometidas não gostavam de mim. Eu era livre, fazia fotos sexy pra celebrar minha nova auto-estima, tive vários namorados e casos passageiros. Eu achava que elas eram invejosas.

Quando encontrei o amor da minha vida, mulheres fizeram ligações anônimas para ele falando mal de mim, me assediaram por email, fizeram comentários anônimos no meu antigo blog, me mandavam inbox cheios de ódio em perfis fake. Eu achava que elas eram loucas.




Eis então que descobri o feminismo e entendi que não, elas não eram nem chatas, nem frescas, nem hipócritas, nem recalcadas, nem fofoqueiras, nem invejosas e muito menos loucas.

Na verdade elas estavam apenas reproduzindo todo o machismo que nos é enfiado goela baixo desde que nascemos

Que mulher não pode ter voz
Que mulher tem que ser maternal
Que mulher tem que ser pura
Que mulher tem que competir com as outras
Que mulher tem que obedecer o marido
Que mulher tem se dar o respeito
Que mulher merece ser violentada, julgada, apedrejada

Essa lavagem cerebral fez com que elas projetassem em mim tudo o que era considerado errado, e por isso, eu deveria ser punida



Passei a vida desejando que elas se libertassem dessas idéias sem saber exatamente como, sem saber exatamente qual ferramenta usar para que isso acontecesse.

Hoje eu sei.

A resposta é Feminismo.
Muito Feminismo.

Desejo a todas elas, todas mesmo, uma vida longa, próspera e 100% livre de machismo.